ISBN para autores independentes [Guia prático e descomplicado]

By | 19:15:00

É totalmente comum e natural  para todo autor que está preparando o lançamento de seu livro independente se deparar com aqueles códigos de barras nas contra capas de outros livros e pensar: Meus Deus, que merda é essa?

Você pesquisa um pouco e descobre que aquela linguagem quase alienígena chama-se ISBN. Porém é tanto blá blá blá técnico e complicado jogados web afora que você termina a leitura sem entender muita coisa além do significado da sigla I-S-B-N.

E para piorar, para onde você se vira, todos são unânimes em dizer: “Seu livro tem que ter ISBN!”. Vixe. Você chega a ter pesadelos com aqueles malditos números.

Foi pensando nisso que nós criamos esse guia totalmente descomplicado, focado na parte prática e direta da coisa, afinal, você não quer abrir uma editora ou um escritório. Você só quer publicar seu livro independente e ser feliz, não é?

Então, continue lendo esse artigo para entender de vez o que é e para quê serve o tal do ISBN.

Entendendo o Bicho do código de Barras.


O que é ISBN?

O ISBN (International  Standard Book Number) nada mais é do que um número que serve para identificar e catalogar seu livro. Esse sistema foi criado em meados de 1967, mas passou a ser amplamente usado por comerciantes de livros e bibliotecas do mundo todo em 1972 depois que a International Organization Of Standardigation a oficializou como norma padrão internacional: A ISO 2108.1972.

Quem controla e coordena o ISBN no mundo todo é a Agencia Internacional de ISBN, como sede em Berlim, Alemanha. É ela quem oriente e delega poderes as agências nacionais designadas em cada país. Aqui no Brasil a encarregada de atribuir o número de identificação á livros é a Fundação Biblioteca Nacional desde 1978.

Esse número é geralmente encontrado na parte inferior da contra capa, antecedido pela sigla ISBN, junto com o código de barras e na primeira página junto com os dados referentes aos direitos do autor.

A anatomia do ISBN é composta de 13 dígitos. Já foi apenas 10, mas isso mudou à partir de 2007. Esses 13 dígitos são divididos em 5 grupos que aparecem geralmente separados por hífen. São eles:

  • 1º - parte: Prefixo bookland – formado por três numero, no caso 978, nos permite saber que tratamos de uma edição tipo livro.

  • 2º parte: Group Country Identifier – diz respeito ao país de origem do livro.

  • 3º parte: Publisher Identifier – diz respeito ao código identificador do(a) editor(a) do livro.

  • 4º parte: Title Identifier – diz respeito ao título do livro.

  • 5º parte: Check Digit – Código de identificação.

Para quê serve, afinal?

O ISBN serve para uma penca de coisas, porém a mais interessante de você saber é que serve como uma “impressão digital” para o seu livro, identificando-o por título, autor, país e editora, não se repetindo jamais em outro livro ou edição.

Além disso, é baseado nesse número que é gerado aqueles “malditos” códigos de barras. Esses podem ser lidos por softwares de leitura e identificação. Isso significa que se, por exemplo, algum livreiro se interessar pelo seu livro, poderá usá-lo para acessar alguma base de dados bibliográficos, localizar o editor e assim fazer os pedidos da publicação para a revenda (nada mal, ein?).

O código de barra serve para que seu livro possa ser inserido no catálogo de alguma loja ou livraria, assim bastará alguém passar aquele leitorzinho infravermelho no código e aparecerá logo quem é o autor, editora, preço e etc. Isso sem falar que sem um código de barras, livraria alguma aceita comercializar um livro.

Como essa impressão de digital, seu livro fica com cara única, pois seu numero é único. Cada tipo de edição ganha seu número, ou seja, o mesmo livro em versão impressa e ebook tem números diferentes.

Quem pode fazer?

Qualquer um que tenha registro de editor junto a Agência Nacional de ISBN podendo ele ser de pessoa física ou jurídica. A diferença entre esses dois tipos é simples. Se você quer editar apenas seu livro independente, opte pelo registro de pessoa física. Mas se sua pretensão é editar livros de terceiros, ai o registro de pessoa jurídica é o indicado. Sacou?

O Cadastro como editor é muito simples e pode ser feito direto na página da Agência Nacional de ISBN.

Onde fazer e quanto custa?

A solicitação pode ser feita por meio de formulário direto no Site da Agencia Nacional de ISBN. Lá você fica sabendo de tudo que é necessário para dar entrada no pedido. O preço da solicitação do número de ISBN é de apenas 18 reais, porém custa um pouco mais caro da primeira vez se junto você precisar pagar a taxa de inscrição como editor. A taxa para inscrição como editor pessoa física é um pouco mais salgada: 255 pilas. Mas relaxa o coração porque dessa edição em diante ficará mais barato sem a taxa de editor. Ou seja, depois de cadastrado como editor, você apenas pagará os números de ISBN de seus futuros livros.

Editoras pagas e prestadoras de serviços costumam já incluir a taxa de solicitação de ISBN junto no custo da publicação. Essa opção costuma ser a mais usada pelos que  não querem passar pelo processo para se cadastrar como editor.

Confira a tabela oficial de preços.

Como consultar?

A consulta do ISBN de uma publicação pode ser feita direto no site da Agencia Nacional de ISBN.


ISBN VS. Registro de direitos Autorais.

Muita gente confunde o registro de uma obra autoral na Biblioteca Nacional (o EDA: Escritório de Direitos Autorais) como o registro de ISBN. Vamos aprender a diferença para não sair por ai falando besteira com a galerinha?

Registro de Direitos Autorais: Quando você terminar o livro (mas terminar mesmo, tipo, começo, meio e fim!) e pensar, preciso impedir que algum espertinho roube essa minha ideia genial. Ai que entra o Registro de Direitos Autorais, que você vai solicitar entrando no site da Biblioteca Nacional. Ele garante para todos os fins que é você o autor legítimo de sua obra. Ai você poderá, por exemplo,  postar no Wattpad sem medo (já que tem uma galerinha lá que copia mais rápido que o Ninja kakashi em Naruto).Breve solto um artigo mais detalhado só sobre isso, blz?

Registro de ISBN: Ele entra já na parte pre-publicação, geralmente por uma editora. Esta vai entrar em contato com a Agência Nacional de ISBN para solicitar o registro numérico que serve para tudo isso que já expliquei no artigo.

Mas, eu preciso mesmo dele?


A discussão em torno disso na web é sempre intensa.  Muitas autores independentes acham primordial o uso, enquanto outros afirmam de boca cheia que isso não passa de mera formalidade e que eles podem passar muito bem sem isso.

Já a minha humilde opinião é para que você largue mão de ser preguiçoso e faça a “parada” como deve ser feita!

Além do aspecto profissional que o ISBN atribui à sua obra, ele quebra barreiras para a mesma. Como já dito acima, a adição do ISBN permite eu você insira seu livro no catálogo de lojas e livrarias permitindo a você encontrar novas maneiras de comercializar seu trabalho.

Então, para simplificar e finalizar: se, se tornar um escritor profissional que encara seu trabalho como o produto ( que ele é) e está disposto a criar sempre as melhores formas de levar sua escrita até o leitor, o ISBN é sim muito necessário e você precisa dele.

Mas, se você encara o que faz como mero hobby, pode muito bem passar sem. Simples assim.

Eai, esse artigo lhe foi útil? Então você pode me pagar por ele. Sim. Pagar. Só que eu não quero seu dinheiro. Você me paga (e me ajuda pra caramba) comentando o que achou aqui em baixo ou compartilhando esse artigo com outras pessoas que precisem. Ok?

Abraço!

Postagem mais recente Postagem mais antiga